Foto: Flavio Vieira Junior/DCSC/ Divulgação


O prefeito de Água Doce, no Oeste catarinense, Antônio José Bissani, assinou o decreto de calamidade pública, devido aos estragos ocasionados pelo um dos tornados registrados em Santa Catarina na sexta-feira (14). A medida ainda não foi homologada pelo governo estadual e deve ser publicada no Diário Oficial.

Tornados e tempestades com granizo deixam rastro de destruição em SC

Foto: Flavio Vieira Junior/DCSC/ Divulgação

A passagem de dois tornados com chuva, granizo e fortes rajadas de vento, entre a tarde de sexta e a madrugada de sábado (15), deixaram um rastro de destruição principalmente nas regiões Oeste e Norte catarinense.

Ao menos 26 municípios foram afetados. Mais de mil pessoas ficaram desalojadas ou desabrigadas e 16 sofreram ferimentos. Não há registro de mortos ou desaparecidos, de acordo com o balanço divulgado pela Defesa Civil na manhã deste domingo (16).

Tornado no Oeste catarinense

O levantamento dos prejuízos ainda estão em andamento em Água Doce. Segundo dados preliminares da Defesa Civil, pelo menos 700 casas foram danificadas e 25 destruídas. Das 11 pessoas feridas no município, duas foram conduzidas ao hospital para receber atendimento médico.

Com o decreto de calamidade pública, ficam dispensados de licitações os contratos de aquisição de bens necessários às atividades de reposta ao desastre, de prestação de serviços e de obras para reconstrução, desde que possam ser concluídas no prazo de 180 dias consecutivos.

Além disso, a prefeitura poderá convocar voluntários para reforçar as ações e realizar campanhas de arrecadação de recursos junto à comunidade, com o objetivo de facilitar as ações de assistência à população afetada pelo desastre, sob a coordenação da Coordenadoria Municipal de Proteção e Defesa Civil.

O chefe da Defesa Civil de Santa Catarina, João Batista Cordeiro Junior, esteve no município no sábado (15) e verificou os prejuízos causados em muitas casas, galpões de empresas e estruturas públicas. O órgão disponibilizou serviços humanitários para os atingidos.

Nesta manhã, mais de 800 imóveis estão sem abastecimento de energia e técnicos das Centrais Elétricas de Santa Catarina (Celesc) trabalham para restabelecer o serviço.

Tornado no Norte catarinense

Foto: Silas Júnior/NSC TV

Além de Água Doce, outro tornado foi registrado em Irineópolis. A distância entre as cidades é de 100 quilômetros. Na cidade do Norte catarinense, as localidades mais atingidas foram Rio Vermelho, Rio Branco e Boa Vista

Durante esta manhã, a prefeitura e a Defesa Civil municipal faziam o levantamento dos prejuízos e avaliam a possibilidade de decretar a situação de emergência ou calamidade pública.

Segundo a prefeitura, ao menos 19 pessoas tiveram que deixar as residências e estão na casa de familiares. Durante esta manhã, mais de 600 unidades consumidoras estavam sem energia elétrica, se acordo com o informe das 11h da Celesc.

Prejuízos no estado

De acordo com o boletim divulgado pela Defesa Civil às 6h deste domingo, 26 municípios registraram danos ambientais, materiais ou humanos, pelos dois tornados e temporais registrados entre a tarde desta sexta-feira e madrugada do sábado.

São 830 pessoas desalojadas, situação em que a pessoa é obrigada a sair de casa, porém tem outro endereço para se abrigar, e 197 desabrigadas. Foram ativados quatro abrigos no estado. São feitas as distribuições de lonas, colchões, telhas, materiais de construção e kits de limpeza.

Em pouco mais de dois meses, além desses fenômenos, Santa Catarina enfrentou uma série de fenômeno climáticos que causaram prejuízos milionários aos cofres públicos, feridos e mortos: tornado no Oeste em Descanso (10 de junho), "ciclone bomba" (30 de junho), chuva com enxurradas e alagamentos (7 de julho).

Fonte: G1 SC 
Postagem Anterior Próxima Postagem